menu

zzzzinte1Pope Francis waves to the crowd after his traditional Christmas "Urbi et Orbi" blessing from the balcony of St. Peter's Basilica on December 26, 2013 at the Vatican.  AFP PHOTO / FILIPPO MONTEFORTE
zzzz

“O Último Papa”: livro analisa profecia que fala sobre Francisco e o fim da Igreja Católica

 

Atualmente esquecida, a profecia de São Malaquias de Armagh a respeito do fim da Igreja Católica e/ou o fim dos tempos, voltou a ser um tema debatido com o lançamento do livro “O Último Papa”, escrito por Robert Howells.

O atual pontífice, Francisco, é o último descrito nas visões que Malaquias teve em 1139. A profecia falava de todos os 112 papas que sucederiam aquele que liderava a denominação à época, Inocêncio II.

A profecia com a descrição dos papas foi guardada a sete chaves no Vaticano por 400 anos, até serem redescobertas em 1590 por Arnold de Wyon, segundo informações da Folha de S. Paulo.

No livro, o escritor reproduz o trecho que se refere ao 112º papa após Inocêncio II como aquele quetestemunhará o declínio de Roma: “Na última perseguição, a sede da Santa Igreja Romana será ocupada por Pedro Romano, que apascentará as ovelhas em meio a muitas tribulações, e quando essas coisas tiverem terminado, a cidade das sete colinas será destruída e o Juiz terrível julgará seu povo. Fim”.

O autor aponta curiosidades que se encaixam à descrição de Malaquias sobre o cardeal Jorge Mario Beroglio, que escolheu ser chamado Francisco, sendo o primeiro não-europeu em mais de 1.300 anos.

Howells explica que as indicações dadas por Malaquias podem ser comprovadas no atual papa, pois, mesmo sendo argentino, Bergoglio é descendente de italianos, e apesar de não ser um cidadão europeu, como exerce uma função de comando no Vaticano, automaticamente passa a ser identificado como “romano”.

O outro aspecto da profecia, ligada ao “Pedro” que Malaquias se referiu, também pode ser esclarecida, segundo Howells. “Ele adotou esse nome inspirando-se em São Francisco de Assis, cujo nome completo era Francesco di Pietro di Bernardone – sendo Pietro o correspondente italiano de ‘Pedro’”, explica o autor.

Howells opina, na conclusão de seu livro, que a verdadeira revelação não está atrelada ao cumprimento da profecia, mas ao fato de que o aviso final parece possível – afinal, de todas as predições envolvendo a Igreja Católica nos últimos dois milênios, a de Malaquias se mostrou a mais certeira: “Se Deus permitir que a Igreja Católica venha abaixo física e espiritualmente, o que isso significa para os fiéis? O desafio que se apresenta para o último papa é que, apesar da destruição, precisamos ir além do véu, a manifestação física da Igreja, e ver sua contraparte espiritual, não nos livros e palavras dos papas, mas em nossa própria alma”, concluiu.

Fonte: Portal Gospel +

Go to top